terça-feira, 11 de maio de 2010

Como dizia minha mãe

Hoje não vou contar uma História de Mulher, porque estava lendo "O Globo on line" ontém e me deparei com um texto de um leitor que falava sobre o dia das mães. O texto falava sobre o sentido deste dia que foi criado nos EUA para tentar tirar uma jovem de sua profunda depressão por conta da perda de sua mãe e que acabou virando um grande dia para as vendas do comércio.
Bom, no decorrer do texto ele falava sobre diversas histórias de mulheres, mães que estão sofrendo pelo mundo, mães anônimas que perderam seus filhos, ou que acharam seus filhos perdidos, ou que descobriram que seus filhos foram trocados e das mães homosexuais que ganharam na justiça o direito de darem aos seus filhos adotivos uma certidão de nascimento com seus nomes depois de anos criando-os com amor e carinho.
Estas são histórias que nem imagimamos e problemas que nem queremos pensar e são tão fortes que nos fazem refletir sobre como damos importância ao mundo ao nosso redor e não temos dimensão dos problemas do mundo todo.
Mulheres como estas merecem ter suas histórias lembradas, escritas e relembradas sempre e com devido carinho e reconhecimento.
Eis então que hoje, nesta mesma coluna, me deparei com um artigo cujo o título é: "O culto das celebridades e o apreço às pessoas comuns".
Gostei muito do artigo, apesar de às vezes achá-lo um pouco agressivo.
Este artigo me fez pensar em que tipo de imagem o mundo nos dá para lembrarmos, enquanto estas mães anônimas tem suas histórias esquecidas outros tantos nomes serão lembrados pelo simples fato de terem tido na vida seu momento, às vezes toda sua vida, registrada pela mídia.
Por isso gosto de escrever pelo menos uma vez por semana sobre alguma mulher marcante, sobre alguma história que me inspire nesta jornada, não somos celebridades, ainda (rsrsrsrs), mas já somos um exemplo para alguém.
Quero que minha filha conheça a história de guerreiras comuns que lutam dia-a-dia por sua prole, por seus amores, por suas crenças e convicções, quero que isto lhe inspire sempre e lhe ajude a trilhar um caminho melhor.
PARABÉNS a todas as MÃES maravilhosas e inspiradoras porque, afinal de contas, como já dizia minha mãe, dia das mães deveria ser todo dia.

Um comentário:

Patrícia Angélica disse...

Gabi, concordo com sua mãe! Dia das mães é todo dia! Todos os dias temos as alegrias de ser mamães e de poder estar perto de nossos filhotes. Isso é bom demais!

Parabéns à todas as mães gerreiras, que não são celebridades, mas são mulheres de verdade... Que são capazes de amar e se dar e se entregar... Isso é ser mãe!

Beijos