quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

História de nascimento: Bebê Otávio

Meninas, pra minha felicidade uma amiga do trabalho, a Susana, resolveu mandar a história do bebê dela, o Otávio.
Pra fechar o ano com chave de ouro né não?!
Susana, obrigada por confiar na gente e mandar a história!!!!
A história é muito legal...parto diferente de todos que relatamos aqui...
Confiram!!!


Relato de parto

A decisão de engravidar
Nunca tive vontade de ter filhos. Acho que era desespero de ter que mudar a vida por alguém, preguiça de ter que acordar cedo, necessidade de fazer duzentas mil coisas antes dos 40 anos e falta de interesse mesmo. A partir de 35 anos isso começou aos poucos a mudar. Me enchi de gatas parindo e adorava cada gestação e parto delas. Vendi um bando de filhotinhos de gato e acabamos decidindo ter. A vontade física era enorme, algumas épocas do mês eu ficava bem tensa, puxava o assunto enchia o saco do Alex. Ele estava decidido a não ter pois tínhamos combinado isso desde o namoro mas a minha insistência foi tão grande que ele acabou cedendo. Veio dúvidas por causa da doença renal: será uma doença genética, será que ele ainda podia ter por tomar cortisona direto? Mas como muitas coisas que tínhamos planejado não deram certo resolvemos replanejar, tinha espaço pra isso. E aí veio a vontade de novo, inexplicável, um surto de vontade cada vez maior, tipo querer comprar coisinhas de neném no mercado, pesquisar sobre fralda, conversar com os amigos. Até que um dia eu tirei o DIU e começamos a tentar, os 3 primeiros meses nada aconteceu e no quarto cheguei a fazer um exame de farmácia mas deu negativo. Aí relaxei deixa rolar, se não rolar tb tudo bem.

A viagem para Maceió
Conversando com um casal de amigos que também estavam tentando combinamos uma viagem, vamos pra Maceió fazer filho na tranquilidade do nordeste. Lá, sem estresse vai rolar com certeza. E num dia super legal, de muita praia e muito camarão e musica MPB, rolou. Eu não sabia mas mesmo assim me encantei com uma boneca de cerâmica grávida, foi a lembrança da viagem. Voltamos pra casa com o Otávio e a bonequinha sem saber de nada.

A gravidez
Um dia antes do final do meu ciclo já queríamos fazer o Teste do xixi. Comprei na farmácia e fiquei me segurando, o último que tinha feito deu negativo e não estava nada animada que acontecesse novamente. Mas o Alex quis fazer quando chegamos em casa. Fiz e já fui falando pra ele não se empolgar, pois eu achava que não ia rolar nada. Esperei um pouquinho e como não apareceu relaxei. Já estava pensando no jantar e o Alex lá na frente do exame esperando. Eu cheguei a dar uma bronca nele - para com isso já deu negativo - e ele quieto esperando. Quando deu os 3 minutos ele me chamou, pra mostrar a listrinha, levinha, apagadinha mas estava lá. Obviamente fizemos mais 2 testes diferentes pois eu não acreditava de jeito nenhum. Todos deram positivo, aí saímos espalhando a notícia. Não tinha como esperar 3 meses, nada disso.
Durante a gravidez tivemos alguns problemas mas também tivemos muitas alegrias. No começo foi brabo a enxurrada de hormônios que recebi. Tinha lembranças doidas de infância, chorava a toda a hora sem motivo e o Alex teve alguns resultados bem ruins dos exames de acompanhamento do transplante. Procurei todo o tipo de ajuda, yoga, aulas de cuidados com bebê, apoio de amigas e colegas de trabalho. Juntas encontramos uma ginecologista do plano de saúde. Eu lia muito na internet, planejando tudo em detalhes, como queria o parto e tudo o mais. Planejamos também uma Viagem para o Chile para o quinto mês e nesta viagem soltamos todos os desesperos e angustias. Foi bem cansativo, muitas discussões mas no final a família ainda continuava de pé. Acho que foi um teste!!!
No 4 mês minha gata a Zahra engravidou e como as gatas tem a sorte de ter apenas 2 meses de gravidez, ela entrou em trabalho logo depois da nossa viagem. Mas deu tudo errado. Muito errado mesmo. O filhote morreu no parto e ela morreu no dia seguinte. Fiquei muito abalada. Até hoje quando penso neste dia fico muito triste. Chorei durante algumas semanas. Mas depois do período de luto voltei a cuidar de nós. Otávio já tinha nome, roupinhas e estava ali pedindo atenção e ele merecia tudo.
Resolvi procurar uma yoga melhor pois a que estava não me ajudava a relaxar e acabei numa ótima doula a Fadynha. Eu já estava no 7 mês mas já sentia contrações constantes. Mudei de ginecologista e resolvemos gastar com o que achamos mais indicado e por isso fizemos apenas uma consulta antes do parto com o Mário Guilherme, e uma com a pediatra indicada por ele para combinar a humanização do pós parto para o neném.
Já na segunda consulta o dr mediu 3 cm de dilatação e disse que o colo estava totalmente apagado. Ele disse várias vezes, vai ser moleza!! Imaginou até que podíamos estar começando os trabalhos por isso sugeriu que a gente fizesse um passeio na Urca pra ele checar de novo se a dilatação evoluía. Fomos almoçar ansiosos que finalmente acontecesse mas no novo exame não tivemos nenhuma evolução. Então resolvemos voltar pra casa e esperar, esta dilatação podia durar ainda mais algumas semanas ou alguns dias...
Sábado passou normalmente nada de novo. Eu tinha uma grande aflição pois achava que não conseguiria distinguir quando o processo começaria e como moramos longe da Perinatal eu não queria passar maus tempos dentro do carro. O meu plano era reconhecer logo o começo dos trabalhos para poder vir para a zona sul antes de começar contrações mais doloridas. Por isso ficamos esperando o fim-de-semana todo na ansiedade. Acabei ficando o tempo todo no tricô sentindo volta e meia as contrações desritimadas e não consegui dormir, nem me alimentei muito bem. Alex ficou tão ansioso que começou a passar mal no começo do domingo. Para relaxar o ambiente repetia constantemente que estava tudo muito tranquilo e que não ia acontecer tão cedo.No final do Domingo, conversando com uma amiga no telefone, outra ansiosa pacas, garanti que não ia ser nesta semana. Otsie estava tranquilo e íamos ter que esperar mais. Já era tardão da noite, tipo 11 hs, e não tínhamos jantado bem. Logo depois deste telefonema comecei a achar estranho as contrações.

Os Trabalhos
Estava vendo televisão e resolvi contar o tempo entre elas. Depois de umas 3 percebi que elas estavam ritmadas com intervalos de 10 minutos certinho. Nesta hora Alex estava bem mal, já tinha vomitado e estava na fase de morrer na cama até o dia seguinte. Resolvi então falar com ele pra já fecharmos a decisão de ir para Botafogo pois com ele assim e com a possibilidade de ser durante a madrugada ia ficar complicado andar de carro por aí. Pegamos o carro então e fomos pro ap em Botafogo. No caminho senti contrações direto e achei melhor já ligar pro dr pra deixar ele de sobreaviso. Ele falou pra passar na perinatal e fazer um exame com o médico de plantão pra saber a situação.
Então fomos fazer o Exame na Perinatal. Chegando o lá o rapaz, novinho, primeiro achou que era muito cedo, fez um toque e disse que não tinha mais do que 1 cm de dilatação. Mas depois de um tempinho veio uma contração que mudou a definição dele. Ele mandou assim, é vc tá em trabalho de parto sim. Mas deve demorar ainda, vou ligar pro dr e vcs decidem mas acredito que seja melhor vcs esperarem em casa.
O dr Mario concordou e nos mandou pra casa esperar. Fomos pro ap com o Alex muito tenso. As contrações não tinham mudado muito mas comecei a sentir que o Alex não ia aguentar. Ele estava passando muito mal mas o tempo todo dizendo que estava bem. Então combinei com ele de procurar uma ajuda pra garantir o parto humanizado, papel que ele faria no parto e que pelo jeito ia ficar sem ator principal... Ele acabou concordando, realmente não dava.
Então fiz uma Ligação pro Rafa meu irmão pensando dele ficar no lugar do Alex mas não estava muito certa disso, coitado do garoto cair nesta situação assim de uma hora pra outra. Logo depois me veio a cabeça a Fadynha. Ela podia ajudar com o neném e me apoiar também nas massagens. Quando liguei pra ela, estava incrédula, já era 2 da madrugada. Mas tive a super sorte de encontrá-la acordada, na verdade indo pra cama. Ela concordou na hora e já me perguntou como estava tudo, se eu queria que ela fosse logo pro ap. Combinamos então dela ir pra Perinatal mais tarde quando eu ligasse novamente pois ia demorar um tempo, as contrações estavam devagar ainda.
Na Ligação para o Dr Mário Guilherme ele concordou com a Doula e disse que quando as contrações estivessem mais constantes pra ligar pra ele. Mas na situação que o Alex estava eu achei melhor ir logo pra Perinatal, pois chegando lá ele poderia relaxar e eu já estaria entregue. Foi o que fizemos. A internação foi muito demorada, Alex cuidando dos papeis e passando mal e eu agachada de cócoras durante as contrações. Tive bem umas 10 contrações na sala de espera da Perinatal. Mas finalmente conseguimos um quarto.
No quarto antes deles chegarem as contrações apertaram, fiquei bem incomodada, andando de um lado para o outro. Não conseguia mais contar o intervalo entre elas, para mim não estavam passando mais e nessa conclui que já devia estar com uma super dilatação pronta pro expulsivo. Pedi para o Alex ligar pra todos avisando que ia nascer logo pois as contrações não paravam mais e me meti no chuveiro pra tentar relaxar um pouco. Foi a minha salvação, nossa que alívio.
Fadynha e Mario chegaram quase juntos no quarto. Quando vi a Fadynha relaxei só de imaginar as massagens. E foi assim mesmo, cada contração ela vinha de pronto com uma super massagem, me apertava daqui ou dali e a contração passava tranquila. Neste esquema estava anestesiada, para mim estava muito bem, tanto que quando o dr perguntou mandei logo que tinha decidido não tomar anestesia. Ficamos assim um tempo, o Alex foi dormir e eu e Fadynha continuamos nos trabalhos. Mas pouco tempo depois vieram nos chamar. Descemos pro quarto de parto humanizado, o dr Mario já o tinha reservado e ele estava esperando por nós. Como era madrugada de domingo a Perinatal estava vazia e logo logo as cesáreas marcadas de segunda iriam começar, por isso tinham muitos quartos reservados mas o quarto de parto humanizado não, sorte nossa.
Quando descemos Alex estava revigorado, a dormida mesmo que rápida ajudou-o muito e ele estava louco pra participar. Entramos todos no centro cirúrgico com nossa parafernália de musica, roupas, comidinhas, mel, chocolate e etc... Lá seguiram-se muitas contrações e massagens. Alex alternou com a Fadynha nas massagens e o dr Mário volta e meia aparecia pra saber como estava tudo. No Toque seguinte ele mediu 5 cm de dilatação, e eu achando que já estava no final, estávamos ainda na metade do caminho...Ele resolveu romper a bolsa pra conferir que estava tudo bem, checou batimentos e os resultados foram todos super positivos.
Mais contrações, massagens e no segundo toque deu 7 cm e aí soube de uma super novidade, estava liberada para ir pra banheira. Fadynha perguntou logo, ela já tinha preparado tudo, água quente, hidromassagem. Foi uma maravilha. Fiquei lá um bom tempo, nem sei quanto. As contrações iam e vinham tranquilas com a ajuda da hidromassagem. Comi Mel, bebi uma aguinha e no toque seguinte dr Mario mandou um 9,5 tipo tá quase lá mas vou dar uma ajudinha que resolvemos agora.
Essa foi uma das horas mais doloridas. Ele fez um toque extremamente doloroso na contração seguinte comigo deitada na cama e a recompensa foi no final ele mandar a frase tão esperada agora é o expulsivo. Voltamos pra banheira e agora a Fadynha me orientava a fazer força quando viesse a contração. Ficamos um tempo na banheira mas eu comecei a achar que estava ficando muito lento e sugeri sair dali e fica de cócoras no chão. Eu já estava querendo apressar as coisas, estava bastante cansada. Tentamos a bola mas não gostei nada, parecia que estava sentada no bebê pois já sentia a cabeça dele e me dava muita aflição. A Fadynha cantou uma Musica pra mim que me ajudou muito mas aquele troço de fazer força me parecia um desperdício pois não sentia nenhuma evolução.
Nesta hora deu vontade de desistir, estava muito cansada e parecia que ainda ia demorar muito tempo. Então a Fadynha me mandou bem claramente e na maior tranquilidade uma previsão de mais 20 minutos. Ela falou com tanta certeza que eu não duvidei nem por um minuto. Olhei pro relógio com ela e faltavam 20 pras 9 da manhã. Acho que a última vez que tinha olhado o relógio eram 2 da madrugada. E ela falou, olha ele já está aqui, 9 da manhã ele vai estar nascendo fica tranquila.

O parto
Daí pra frente relaxei, tive bastante sangramento mas tudo normal. Ela me incentivava falando como fazer força e me avisando que ele estava descendo claramente. Mais um tempinho e o dr Mário voltou pra arrumar a cama na posição de cócoras. Sentei na cama e a idéia era continuar a fazer força mas elas já estavam me faltando. A contração vinha meio devagar e não evoluíam muito. Então o dr resolveu fazer a Manobra de Kristeller. Um homenzão apareceu e subiu na minha barriga. Ele fez a força por mim, mas eu não deixei de ajudar em nenhum momento, ou pelo menos achei que estava ajudando. Na terceira contração comecei a sentir muita dor e o dr pediu pra parar. Para agora, dá um tempo. Lembro que falei - como assim? Parar agora ? não dá!!!! - Tentei segurar muito mas a vontade era resolver tudo logo. Na contração seguinte mais uma ajudinha e nasceu.
A primeira coisa que ouvi foi uma enfermeira falando pronto nasceu, mas como não tinha visto ele ainda continuei fazendo força. Aí sim ele saiu todinho, já chorando e veio pro meu colo, era 9:13 hs. Chorou um pouquinho e parou logo depois. Ele recebeu o primeiro atendimento da pediatra no meu colo, o Alex cortou o cordão. Tentamos colocar para mamar mas ele não quis. Levaram para pesar e logo trouxeram de volta, colocamos no outro peito, ele abriu os olhinhos. Alex assobiou uma música que ele costumava cantar durante a gravidez e ele procurou o som, parou de chorar, procurava com os olhos o Alex atras de nós.
Ele realmente não quis mamar ou não soube mamar e por isso logo levaram ele embora. Fadynha ficou comigo e Alex foi com ele. Eu tinha que resolver algumas paradas ainda. Tive laceração simples que o dr Mário costurou sem problemas a placenta demorou pra sair e saiu muito sangue. Tive que tomar soro porque deu tonteira, fiquei mais de uma hora pra subir pro quarto. No final estava me dando desespero pra ir embora e vê-lo novamente. No quarto ele chegou rapidinho ficou o tempo todo no colo do Alex. Veio uma enfermeira da perinatal que me apoiou na primeira amamentação. Tivemos que ensiná-lo a pegar o peito, a partir daí mamou direitinho, ficamos mamando e dormindo a tarde toda, só fui dormir no final do dia de tanta euforia, adrenalina, felicidade.

3 comentários:

Gabriela disse...

Nossa Suzana, que coragem!!!
Parabéns pelo Otávio...
bjs

Francine Figueiredo disse...

Estou chocada com a sua coragem!
Falando sério, fiquei tonta, enjoada e com dor de cabeça só de pensar na sua dor... mas o final foi tãoooooo lindo que com certeza tudo valeu a pena pra vc.
Parabéns!
bjs

Patrícia Angélica disse...

Que história diferente! Eu nem sabia que na Perinatal tinha parto assim! Que bom que você teve seu bebê do jeitinho que vc escolheu e no final só de olhar a carinha dá pra saber o quanto valeu a pena!
Parabéns pelo seu bebê! Que o Otávio seja muito feliz e traga sempre muita felicidade para a vida de vocês!

Beijos