terça-feira, 13 de outubro de 2009

Religião escolha nossa ou deles...

Então... Feriadão, todos na praia e a minha filha?
Resolveu ir á missa.. Isso mesmo à MISSA!
A minha filha cresce a uma velocidade assustadora e já faz suas escolhas!
Creio que tudo isso começou por conta do batizado.
Optamos por não batizá-la cedo e quando a Nessa decidiu batizar a sua filha perguntou se nós não gostariamos de batizar a nossa filha junto... Topamos!
Minha filha me perguntou o que era batizado e procurei um jeito de fazê-la compreender o que aconteceria na cerimônia!
Lembrei-me então de uma reportagem que li na Revista Bons Fluidos sobre um batizado realizado por um teológo (esqueci o nome) onde ele chamava o batismo que ele realizou na própria neta de "Cerimônia de dar nome".
Baseada nisto disse a minha filha que iríamos a Igreja, ouvir o que o Padre - um homem que estudou toda a vida de Papai do Céu - tinha para nos contar sobre Ele e que depois disto o Padre diria em voz alta o nome que escolhemos para ela, assim como aconteceu com Jesus, filho de Papai do Céu, quando ele viveu por aqui na Terra.
Enfim, conformada com a explicação, depois de vários outros questionamentos e, curiosa para entrar numa Igreja, no dia do batizado lá estava ela prestando atenção, sentada no colo da Dindinha e acompanhando absolutamente tudo.
Bom, eis que seu interesse aumentou nesse fim de semana. Perto da nossa casa tem uma Igrejinha que, devido as atribulações do Padre em administrar mais ou menos 18 paróquias, só tem missa 1 vez no mês. Sempre que passamos pela Igreja ela pergunta: - Tem rezação hoje mãe?
Bem, neste domingo voltando do teatrinho ela viu a Igreja aberta e o Padre no pulpito e me perguntou: - Tem rezação hoje mãe? A gente pode ir?
Parei o carro e fomos assistir ao último dia da novena de N. Sra. da Conceição Aparecida, vocês não imaginam o que foi assistir aquela criaturinha rezando e acompanhando todos os passos da cerimônia! Pois bem, na saída ela quis comer um pastel na cantina da Igreja e uma das senhoras da paróquia me disse: - Trás ela amanhã na missa das 10:00h é uma missa especial para crianças, toda cantada!
Este convite recebeu o coro da menina que estava tocando violão na novena que simpatizou muito com ela e claro, ela com a menina, já que música é com ela mesmo.
Quando chegou em casa ela me disse: - Mãe, amanhã tenho que ir a missa que a minha colega do violão me convidou.
Eis que então, no domingo pela manhã, ela acorda e eu pergunto: - E aí filha, vamos a missa?
Prontamente ela me pede para arrumá-la, toma todo o café e parte para a Igreja toda feliz, dizendo para quem passasse por ela que estava indo pra missa!
Indo contra o fluxo, já que num feriado de sol, todos estavam indo a praia, que fica na direção contrária da Igreja, lá foi meu bebê.
Foi a missa, acompanhou tudo, saiu para as brincadeiras com as outras crianças e não queria mais ir embora.
Ah, á noite ainda ficou no portão para ver a procissão passar!
Então... quis dividir com vocês esta experiência porque acho que algumas de vocês podem ter a mesma dúvida que eu: Ensinar ou não religião e como ensinar?
Passei por uma situação muito difícil quando minha sogra morreu. Não tinhamos batizado a minha filha, nunca tinhamos falado com ela sobre Deus e espiritualidade, pois me parecia ser uma coisa para mais tarde, ela era muito pequena, como contar pra ela que vovó, que ela tanto amava, morreu. Mas, Deus realmente escreve certo por linhas tortas, naquela época li uma reportagem em que uma mãe adquiriu o hábito de agradecer toda noite junto com os filhos as coisas boas que tinham acontecido com eles e assim começou a introduzir a espiritualidade na vida deles. Pois bem, com a minha filha também funcionou, esta hora se tornou um momento muito nosso onde, além de agradecer as boas coisas que recebemos diariamente, trocamos confidências e partilhamos momentos do nosso dia!
Então é isso, acho que vou frequentar a Igreja mais vezes!!!
Boa semana para todas!
Bjs

6 comentários:

Roberta disse...

Que lindo, Gabi!!!
Ter uma religião é muito importante...que legal...

bjs.

Vanessa disse...

Amei Garota.
Fico imaginando ela acompanhando a missa e rezando junto com todos.
Lindo. Alguns exemplos são muito legais para termos com os filhos quando eles crescerem.

Fran disse...

Oi Gabi,

Eu creio que somos condutores dos nossos filhos. Creio que temos que conduzí-los no caminho que acreditamos ser correto. E claro, quando eles tiverem discernimento, tomarão a decisão de continuar nesse caminho ou não.

"Provérbios 22:6
Eduque a criança no caminho em que deve andar, e até o fim da vida não se desviará dele."

Déia. disse...

Oi Gabi, que barato né a gente ver nossos filhos tomando decisões, optando por determinadas coisas.
bem aqui em casa todos somos católicos e quis batizá-lo bem novinho (4 meses).
Enfim, nunca fui tão assidua a igreja, mas sempre rezei, sempre fui muito espiritualizada.
Matheus cresceu assim. Passei a frequentar a igreja quando ele completou 1 ano e que ja entendia alguma coisa. Enfim, ele adora Igreja. chega la fala com todo mundo, quando chega na igreja sai correndo para a imagem de Jesus Cristo na cruz e diz: DU CÉU MAMAE!! Olha, desde sempre tive o habito de rezar baixinho no pé do berço e ele hoje em dia quando deixa diz logo mamãe, du céu. E junta as maozinhas, fala algumas coisas e diz amém!
:)
Sempre agradecemos juntos pelo dia que passamos juntos e pedimos benção para que tenhamos uma noite boa com bons sonhos.
Isso pra ele ja virou rotina. É ótimo ver a espiritualidade neles!
beijos

minhasminhocas disse...

Oi Gabi,

Que lindo! Acho que ter uma religião na idade da Sarah é mais do que importante, é essencial.
A religião vai te ajudar a reforçar o certo do errado, o bom do mal e etc.
Agora, sempre que puder, converse com ela sobre outras religiões, sempre com respeito. A criança aprende aquilo que a gente mostra, portanto tenha cuidado.:)
Quanto a ela ser nova, eu não sou indicada pra dizer, Thiago tem menos de dois anos e já aponta pro crucifixo na parede do quarto, quando eu pergunto cadê o Papai do Céu! :P

beijos

Rafaela disse...

Pois é Gabi, até me arrepiei lendo este depoimento. Incrível como Deus toca nossas vidas quando menos imaginamos. A Saroca é muito sabida. Continue incentivando este contato com Deus, pois ele está sempre ao nosso lado.
Saudades!! Amo vocês. Beijos Tia Rafete